Governo vai leiloar folha de pagamento de servidor

Rodolfo Costa

 

Diante da queda de receitas, o governo corre contra o tempo para anunciar medidas que possam gerar recursos e permitir o cumprimento da meta de superavit primário (economia feita para o pagamento dos juros da dívida pública), de 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Em agosto, deve ser publicado edital de leilão da folha de pagamento dos 628 mil servidores civis de fundações, autarquias e da administração direta do Executivo Federal. A equipe econômica espera iniciar as operações em outubro para ampliar as receitas até o fim do ano. Na opinião de José Matias-Pereira, professor de administração pública da Universidade de Brasília (UnB), a pedida inicial poderá vir em torno de R$ 1,5 bilhão.

 

“É um valor compatível com o de outras folhas que já foram leiloadas”, argumentou o economista. Atualmente, o Banco do Brasil detém a maior parcela das contas de servidores, com outra parcela gerenciada pela Caixa Econômica Federal. A expectativa é de que a estabilidade financeira e os altos salários do funcionalismo aumentem o apetite de grandes bancos privados.

 

Segundo cálculos do governo, feitos em julho do ano passado, o custo médio mensal de cada servidor do Executivo Federal era de R$ 9.959 – mais de quatro vezes o rendimento médio real dos trabalhadores da iniciativa privada, de R$ 1.863, segundo o IBGE. “Quem ganhar o leilão ficará com uma carteira de clientes fantástica. A potencialidade de negócios que isso vai gerar para a instituição financeira vencedora será muito significativa, o que me leva a acreditar que a disputa será acirrada”, avaliou Matias-Pereira.

 

Na opinião do consultor econômico Raul Velloso, ex-secretário de Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento, a decisão do governo é positiva e “já devia ter sido tomada há muito tempo”. “Na atual conjuntura, a expectativa é ótima”, disse.

 

Fiscalização

 

Diferentemente da elevação da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) dos bancos, a transferência da folha de pagamento do governo não terá impacto negativo na economia, analisou Fábio Klein, da Tendências Consultoria. “O aumento de carga tributária pode levar as instituições a subir as taxas de juros para manter os resultados. Já o efeito da folha será neutro.”

 

Matias-Pereira, da UnB alertou que “é necessário fiscalização para assegurar que o vencedor ofereça um serviço de qualidade, sem alterar abusivamente as taxas. Vencer o leilão não significa que no momento seguinte o banco terá direito de elevar as tarifas bancárias”, disse.

 

A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) critica a medida. “O governo nos usa como mercadoria para ganhar dinheiro. Não vamos tolerar sermos tratados como moeda de troca”, disse  Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da entidade, que representa 80% dos servidores do Executivo.

 

“Hoje, quem recebe pelo Banco do Brasil ou pela Caixa tem o salário depositado no primeiro dia útil do mês. Quando tarda, no segundo dia. Em bancos privados, o pagamento geralmente cai na conta no quinto dia útil. Pode ser bom para o governo, mas, para a economia doméstica de quem movimenta a máquina pública, não”, afirmou. O Ministério do Planejamento informou que o tema está em análise, mas não há definição de data.

 

Correio Braziliense    

 

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Deixe um comentário