NOSSA HISTÓRIA

No ano de 1989 se constituía uma entidade representatividade em defesa dos direitos trabalhistas dos civis lotados nas Forças Armadas, o Sinfa-RJ, hoje designado Sindicato dos Servidores Civis do Ministério da Defesa.

Apesar de ser fundado em 18 de setembro de 1989, quase um ano após a promulgação da Constituição que garantia a livre associação sindical, o Sinfa-RJ nasceu em um cenário de perseguições, injustiças e assédio moral, nos quartéis. Os resquícios da ditadura militar ditavam a relação de trabalho. A greve dos civis da Marinha de 1985 foi o movimento de repercussão nacional que marcou o início da trajetória de todos os servidores. Mas além destes, outros corajosos servidores da Aeronáutica e do Exército também compunham o grupo de trabalhadores que fundaram o Sinfa-RJ.

No governo do então presidente Fernando Collor, os trabalhadores amargavam uma crise econômica combinada à política recessiva, com alta taxa inflacionária, e desigualdade social. Esta realidade deu início a uma série de atividades sindicais. Foram realizados acampamentos na Praça da Candelária, vigílias e passeatas que percorriam a avenida Rio Branco até a Cinelândia.

Em conjunto com outros servidores, os civis também participaram da greve nacional do serviço público que durou 49 dias. Uma atividade que já era resultado da parceria entre Sinfa-RJ e Condsef – Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal. Mas as mobilizações não pararam na greve, pelo contrário, a cada ano que passava mais protestos e atos públicos eram organizados para denunciar as péssimas condições de salário e trabalho nas unidades militares. Criado para lutar especificamente em defesa dos interesses dos servidores civis nas Forças Armadas, o sindicato e seus filiados estavam cientes da sua responsabilidade social e por isso marcaram presença em diversas manifestações sociais que exigiam melhores condições de vida para todo o povo brasileiro, tais como, contra as privatizações, o arrocho salarial dos servidores, os cortes econômicos.

Nos últimos oito anos, o sindicato tem sua trajetória marcada pela realização de caravanas e acampamentos em Brasília que garantiram aos servidores de todo o Ministério da Defesa a reestruturação das tabelas remuneratórias, com a valorização dos seus proventos básicos; a conquista de gratificações por qualificações; reajustes anuais e a participação efetiva em todo o processo de negociação salarial das mesas setoriais do governo.

A luta pela valorização dos servidores do PGPE ainda é uma bandeira prioritária do sindicato. É uma batalha iniciada pela atual diretoria em 2006 e que não terá fim até que o governo implemente as reivindicações do PGPE por condições dignas de trabalho e salário justos para todos.

Como diz Eduardo Galeano, “somos o que fazemos para transformar o que somos”. Por isso, vamos continuar lutando, fazendo o que for preciso para sermos atendidos!

Últimas notícias

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Governo suspende recadastramento anual de aposentados até setembro

O Governo Federal, através do Ministério da Economia, publicou nessa quarta-feira, 8, no Diário Oficial da União (DOU), a Instrução Normativa (IN) 52. A IN publicada, suspende até o d...

Ler mais
quarta-feira, 8 de julho de 2020

Governo faz promessas que agradam representantes do Fonacate

Wagner Lenhart afirmou que é preciso regulamentar as atividades de Estado e assumiu o compromisso de aumentar o percentual de servidores em licença capacitação de 2% para 5%. Na reunião...

Ler mais
quarta-feira, 8 de julho de 2020

Ações movidas por servidores são competência da Justiça Federal, decide STF

O Supremo Tribunal Federal decidiu que as ações judiciais movidas pelos servidores públicos das três esferas, que se referem às relações de trabalho, deverão ser mantidas na competên...

Ler mais

Acesso rápido

Informativos





Rua da Quitanda, 45 / 6º andar - Centro - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 20.011-030 | Telefones: 21 2507.5156 / 2507.5178 / 2507.5235