Com queda do isolamento, infectados pela covid-19 dobram

SINFA RJ » Destaques » Saúde & Seguridade

Em um mês e meio, o Brasil dobrou o número de infectados pelo novo coronavírus, ao passo que o isolamento social apresentou quedas. A informação faz parte do Epicovid19- BR, estudo desenvolvido pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e financiado pelo Ministério da Saúde que mapeia a pandemia de covid-19 no país. Foram selecionadas por sorteio 89.397 pessoas para participar da avaliação epidemiológica, considerada a maior do mundo sobre a doença nos parâmetros de número de pessoas testadas e abrangência geográfica. 

Na primeira fase do teste, o grupo constatou que 1,9% da população apresentava anticorpos para a covid-19. Duas semanas mais tarde, a indicação já era de 3,1% de infectados, um salto de 53%. Por fim, até 24 de junho, o percentual já estava em 3,8%, ou seja, 23% a mais do que na avaliação anterior. “Se fosse uma corrida de Fórmula 1, o Brasil era o carro que estava acelerando mais rápido na pista da segunda para terceira fase, tivemos uma desaceleração. Então o pneu começou a ficar desgastado, e, felizmente, o nosso carro diminuiu de velocidade”, exemplificou o professor reitor da Ufpel, Pedro Hallal. 

Somadas as três fases da pesquisa, foram identificadas 2.064 pessoas com anticorpos, ou seja, que tem ou já tiveram infecção pelo coronavírus. 

Ao avaliar os infectados por sexo e idade, a conclusão é que não há diferença no risco de contrair a infecção entre homens e mulheres ou por grupos de idade. No entanto, severidade da doença tende a ser maior nos grupos etários mais avançados. Já no recorte por região, é extrema a discrepância. 

O Norte lidera as regiões com infecção de forma predominante nas três comparações. Já na primeira fase, eram 6,3% da população com a infecção. Esse número cresceu para 9% e depois caiu para 8%. Hallal explica que a pesquisa não considera isso uma queda. “Entre a fase 2 e a fase 3 deu empate técnico na região Norte. Tem uma margem de erro associada com o 9% e o 8%, o que significa que há empate técnico. Não há uma tendência de diminuição exceto se ao longo do tempo fizermos novas fases da pesquisa e confirmarmos isso”, disse. 

A região com maior variação temporal foi o Nordeste. Iniciou com 0,8%, subiu para 3,2% e depois para 5,1%. Além do Norte e Nordeste, o Sudeste também teve um dos registros acima de 1%, quando, na terceira fase, marcou 1,1% de população infectada. As maiores elevações no Centro-Oeste e no Sul também ocorreram na fase três, com percentual de 0,9% e 0,4%, respectivamente. 

Uma das grandes variações também foi notada ao se comparar a população por nível sócio-econômico. Dividido em 5 grupos dos 20% mais pobres aos 20% mais ricos, a avaliação mostrou que, ao comparar os dois extremos, o risco de contrair a doença é mais que o dobro entre os mais vulneráveis. Isso ocorreu de forma sistemática nos três momentos. Enquanto, no fim de maio, 2,1% dos mais pobres atestaram positivo, no grupo dos mais ricos a marca ficou em 1%. Já entre 21 e 24 de junho, a diferença foi de 4,1% para 1,8%. 

A partir das análises estatísticas baseadas na realidade, pela primeira vez o país pode determinar o nível de subnotificação não mais como base em estimativas. A partir da diferença entre o número de casos notificados e o número de pessoas com anticorpos, a pesquisa inferiu que há 6 vezes mais pessoas com anticorpos para a covid-19 do que o número de casos notificados. 

Com o ritmo de crescimento de novas confirmações em expansão para as demais regiões e o interior do país, não é possível se falar em decrescimento da curva. A diminuição da adesão às medidas de isolamento também impactam nessa tendência. No estudo foi apurado com que frequência os entrevistados saiam de casa. Na primeira fase, 20,2% afirmaram sair diariamente, 56,8% apenas para atividades essenciais e 23,1% disseram não sair. Já na terceira fase, os números ficaram em 26,2%, 54,8% e 18,9%, respectivamente. 

A queda na adesão representa, ainda, maior risco de infecção mesmo para quem não sai de casa. Isso porque a análise mostrou, ainda, que 39% das pessoas que moram com pessoas que testaram positivo para o vírus também contraíram a doença. Essa conclusão foi possível porque, havendo uma pessoa positiva no âmbito da pesquisa, todos os habitantes da mesma casa também foram testados. 

Apenas 9% dos participantes não relataram sentir  qualquer sintoma, sendo classificados como assintomáticas. A letalidade do vírus foi avaliada em 1,15%, podendo variar de 1,05% a 1,25%. Ou seja, em um grupo de 10.000 infectados, 115 morrem. 

Fonte: Correio Brasiliense

0 Comentários

Últimas notícias

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

STF rejeita pedido de suspensão da PEC que acaba com a estabilidade de servidores

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido feito em ação para suspender a tramitação da PEC 32, da reforma administrativa, no Congresso Nacional. O ...

Ler mais
quarta-feira, 25 de novembro de 2020

25 de novembro: Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres

No dia 25 de novembro de 1960, as irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como “Las Mariposas”, foram brutalmente assassinadas pelo ditador Rafael Leônidas Trujillo, da Repúb...

Ler mais
quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Golpes usando Pix como isca crescem após estreia do sistema de pagamentos

Criminosos estão usando o Pix como isca para atrair vítimas em golpes online no Brasil. Segundo um relatório da Kaspersky, divulgado na última semana, desde a estreia do Pix, no últi...

Ler mais

Informativos





Rua da Quitanda, 45 / 6º andar - Centro - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 20.011-030 | Telefones: 21 2507.5156 / 2507.5178 / 2507.5235